Retiro Espiritual – Propedêutico 2018
13/02/2018
Quarta-feira de Cinzas: esmola, oração e jejum
14/02/2018

“Vinde e vede”(Jo 1,39), foi o convite de Jesus para aquele que quisera saber mais sobre o discipulado. Esse convite perpassa o tempo e a história e se faz presente em cada um de nós ainda hoje. Ser discípulo de Jesus requer que façamos uma experiência de segui-lo.

Como vocacionados para o discipulado, nos reunimos para um discernimento mais profundo do seguimento. Em um determinado momento de nossas vidas também ouvimos o chamado de Jesus. Pe. Justino e Jonathan, Arthur e Robson, André Luiz e Pedro, André Detonni e Lucas Magno, Júnior e Marlon, Markes e Helvert, Alexandre e Marcos, Lucas Araújo e Welington, Paulo e eu. Todos nós fomos chamados a fazer a experiência do vinde e vede!

No retiro de carnaval de 2018, de maneira especial, quem nos ajudou a dar mais um passo no caminho do discipulado foi o Pe. Justino. Mediante a reflexão sobre o chamado que o Senhor faz a cada um de nós, o Pe Justino agiu como Eli, sacerdote que ajudou o menino Samuel a interpretar o chamado de Deus. A esse discípulo, nos moldes da congregação CICM, o nosso muito obrigado!

Sempre ouvimos dizer que “o caminho se faz caminhando” e, de fato, realmente o é. O CAMINHO é o trajeto que vamos percorrendo e, nessa trajetória, nós temos a chance de nos resignificar como pessoa e ser humano, reconhecendo que somos repletos de limitações, vaidades e pecados. O caminho, feito de altos e baixos, se dá sempre na companhia do divino Mestre. Ele não se apresenta no fim do caminho, Ele percorre o trajeto conosco. Assim como os discípulos de Emaús, no caminho o Senhor explica as Escrituras, e após o percurso nos fortalece com o pão. Na noite escura, o nosso desejo é sempre de que o Senhor permaneça conosco!

A configuração ou identificação com Cristo acontece quando deixamos ser tocados por Ele. A transfiguração de Jesus no Monte Tabor nos remete a missão de todo cristão batizado: anunciá-lo e testemunhar o Seu amor. É a ação do Divino que se envolve com o humano, é a infinitude com a finitude, é o perfeito com o imperfeito, é a aliança de amor do Pai para com os seus filhos. A configuração com Cristo acontece em nosso meio, quando conseguimos deixar irradiar em nós as suas bem-aventuranças. E a cada um de nós, só nos resta a perguntar: “o que poderei retribuir ao Senhor Deus, por tudo aquilo que Ele fez em meu favor?” (Sl 116,12). E devemos sempre acreditar: “é feliz quem a Deus se confia” (Sl 39,5).

Retiro de Carnaval, Sítio Santo Antônio/Santa Maria de Itabira.

Júlio César Santos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.