PUC Minas: momentos de reflexão e diálogo marcam a abertura da CF 2018 na Universidade
21/02/2018
SENHOR, QUE DEVO FAZER?
19/03/2018

Entre os dias 5, 6 e 7 de março, o clero da diocese de Itabira – Cel. Fabriciano, juntamente com os seminaristas da teologia e alguns leigos, participaram de uma formação sobre o documento 107 da CNBB, intitulado “Iniciação à vida cristã: itinerário para formar discípulos missionários”. A formação aconteceu no Recanto das Mangueiras em Coronel Fabriciano, sendo conduzida pelo Pe. Ivanildo e pela Marlene, pertencentes à arquidiocese de Pouso Alegre.

Um dos principais enfoques da formação era favorecer o retorno ao processo de iniciação cristã dos primeiros séculos da Igreja, percebendo toda a riqueza catequética e mistagógica do processo sem, contudo, desconsiderar as devidas atualizações que são necessárias em nosso contexto eclesial e de mundo. Essa proposta reaparece na Igreja Católica a partir das propostas do Concílio Vaticano II, que desejou favorecer um retorno às fontes da fé cristã, por meio das Sagradas Escrituras e da Tradição dos Santos Padres.

É urgente perceber os sinais dos tempos e nos voltarmos para as rápidas mudanças que afetam a sociedade contemporânea e que encontram seus reflexos dentro da Igreja. A diversidade de ideias e a pluralidade religiosa impulsionam os cristãos a estarem prontos para “dar as razões de sua esperança” (1Pe 3, 15). Por tudo isso o processo formativo de iniciação à vida cristã deve ultrapassar os limites de um mero ritualismo sacramentalista, que já não possui mais a eficácia do passado, mas introduzir a cada homem e mulher num profundo e continuado processo de evangelização e catequese, sendo coroado com a celebração dos sacramentos da iniciação: Batismo, Confirmação e Eucaristia. São realidades que devem andar em conjunto e apontar para os grandes mistérios da Revelação de Jesus Cristo ao gênero humano.

O processo de iniciação à vida cristã quer introduzir cada fiel na vivência comunitária da fé e na experiência de uma autêntica adesão à pessoa de Jesus. Como afirma o documento 107, “o discípulo, atraído pela beleza do seguimento, torna-se um iniciador de outros na vida de Cristo” (p. 12), é o ardor apostólico dos fieis que fará nascer continuamente na Igreja verdadeiros discípulos missionários do Mestre, atraindo mais corações para o amor de Deus.

Fernando – 1º ano de Teologia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.