Missão de Férias 2018
01/08/2018
Vocação sacerdotal, louvado seja Deus por todos os Sacerdotes!
05/08/2018

Desde algumas décadas, a Igreja Católica no Brasil vem incentivando um enfoque maior na dimensão vocacional, inerente a todo ser humano, durante o mês de agosto. Sim, a todo ser humano, inclusive os que não se sentem chamados a serem sacerdotes, pois, visto que vocação e sacerdócio de fato possuem muito em comum, por muitos são tidas mesmo como sinônimos. Todavia, é inegável que qualquer pessoa observa em si sinais de que possui inclinação para certos ofícios, certos gostos, certos trabalhos, certos estados de vida ou posições na sociedade. E justamente neste ponto começa a vocação, no reconhecimento de que Deus imprimiu diferentes dons em seus filhos, chamando-os a serem aquilo que sonhou, primeiramente chamando-os à vida, e em seguida, a um lugar especifico no mundo, na criação.

Essas vocações diversas se unem numa mesma missão: suprir as necessidades de seus pares, e igualmente serem supridos, constituindo um vínculo inquebrantável de solidariedade e afeto fraternal entre as pessoas. Daí o estímulo a esta reflexão no mês de agosto, tão acertadamente denominado mês vocacional, cujas quatro semanas contemplam as diferentes vias que um ser humano pode escolher trilhar, sob o olhar de Deus:  vocação sacerdotal, vocação familiar, vocação religiosa e vocação leiga.

Muitos possuem questionamentos acerca do porquê ser justamente o mês de agosto o escolhido para a promoção de uma reflexão vocacional. Uma possível reposta estaria na alusão a alguns santos que representam as diversas instâncias vocacionais e que são comemorados neste mês: Santo Cura D’ars, padroeiro dos padres, comemorado à 04 de agosto; São Lourenço, padroeiro dos diáconos, no dia 10, e Santa Mônica e Santo Agostinho, mãe e filho, comemorados respectivamente nos dias 27 e 28.

Essas instâncias vocacionais, como já observado, possuem nuances diferentes umas das outras, o que reforça ainda mais a relação de fraternidade que há entre elas: ao sacerdote, que possui o grau necessário para a celebração eucarística, compete ser pastor e pai espiritual para todos sob sua responsabilidade. À família, “célula mater da sociedade”, de ser a depositaria de todas as virtudes que a humanidade aprendeu e lhe cabe transmiti-la as futuras gerações. Aos leigos, de serem uma base segura para que o reino de Deus aconteça no seio das populações.

Mas deve-se ressaltar que tais caminhos não podem ser desbravados por imposição de outrem, assim como por um mero trilhar por trilhar, pois, afinal de contas “[..] Deus chamou o homem, […] dando-lhe a tarefa de ser artífice, ” isto é, o ser humano cumprirá os majestosos desígnios divinos se realizar com perfeição e beleza o caminho que se decidiu seguir, a partir da vocação que recebeu diretamente do senhor. Assim, ao imprimir beleza naquilo que se sente apto a fazer, e exercendo um “[…] domínio criativo sobre o universo que o circunda” a criatura faz como lhe pediu seu criador, quando este lhe conferiu o selo da vocação, nos dizeres de Pe. Zezinho em sua canção balada por um reino.

 São Joao Paulo II escreveu deveras muito bem acerca da beleza que surge na vida de alguém que cultiva com prazer sua vocação. Ele o fez ao se dirigir por meio de carta aos artistas na década de 90, cujo objetivo era apontar e destacar os laços vocacionais que unem essa classe de pessoas ao coração de Deus. Segundo o pontífice, “[..] quando o artista plasma uma obra-prima, não dá vida apenas à sua obra, mas, por meio dela, de certo modo manifesta também a própria personalidade. ” Por conseguinte, a arte, ao trazer à tona o íntimo do artista, lhe proporciona meios para refletir sobre as áreas de si próprio que necessitam serem melhoradas, comportamentos a serem retificados, lacunas a serem preenchidas, ou seja, aquilo que falta para que se configure ao cristo. Tais pensamentos nos fazem lembrar da carta de São Paulo aos Gálatas quando diz, dentre outras coisas, que “ já não sou eu quem vivo, é cristo que vive em mim.”

Ademais, quando o Papa Bento XVI se dirige, por sua vez, ao grupo citado acima, coloca em cheque novamente o papel da beleza que deve haver nas produções artísticas, e faz um apelo para que a beleza não seja procurada onde a verdade não resplandeça, bem como a caridade. Assim, ao pedir, numa cordial exortação, “[…]  fazei resplandecer a verdade nas vossas obras e fazei com que a sua beleza suscite no olhar e no coração de quantos as admiram o desejo e a necessidade de tornar bela e verdadeira a existência […]” o pontífice aponta que qualquer produção, independente de qual seja, possui a tarefa indelével de mostrar com transparência e de modo veraz aquilo que sustenta a vida e a harmonia entre as pessoas, como por exemplo quando tais obras fazem referência aos núcleos familiares, de tal maneira desacreditados pela realidade moderna, e os religiosos e religiosas, duramente combatidos pelos mesmos meios.

Por todos esses fatores, e muitos outros, o mês de agosto é voltado a dar uma especial atenção as vocações diversas, como já dito acima, e o momento atual, em que se nota um combate a tais instâncias, ressalta ainda mais o papel do mês vocacional nos dias atuais.

Nesse sentido, o seminário São José da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano faz seus esforços no tocante ao apoio às vocações sacerdotais. Este busca incentivar e amadurecer a resposta que muitos jovens querem dar à Deus e à Igreja, seja através dos encontros vocacionais, úteis instrumentos para uma melhor compreensão daquilo que Deus está a pedir para os aspirantes ao sacerdócio, seja com o incentivo aos grupos de vida, compostos pelos seminaristas da filosofia e teologia. Neste grupo os membros podem integrar-se melhor e transmitir mais facilmente suas aspirações, dificuldades, assim como sua vida de oração, reforçando, dessa forma, o zelo da diocese pelos vocacionados à vida presbiteral.

Jonathan – 3º de Filosofia

REFERÊNCIAS:

VELOSO, Eurico dos Santos. Vocação, todos nós somos chamados a participar, com nossos dons e talentos, na edificação do Reino. Disponível em: <https://formacao.cancaonova.com/vocacao/mes-vocacional/>.

Agosto, o Mês Dedicado às Vocações. Disponível em: <http://www.webradiodeusestanoar.com.br/home/?p=437>.

AGOSTO: O MÊS DAS VOCAÇÕES. Disponível em: <http://www.pnslourdes.com.br/avi_mes_vocacional.htm>.

João Paulo II, Papa. CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II

AOS ARTISTAS. Disponível em: < http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/letters/1999/documents/hf_jp-ii_let_23041999_artists.html>.

BENTO XVI, Papa. Discurso do Papa Bento XVI na inauguração da exposição preparada por ocasião dos sessenta anos de sacerdócio. Disponível em: < http://duasasas.blogspot.com/2011/07/senhores-cardeais-venerados-irmaos-no.html>.

VIANNEY, João Maria. FRASES DE CURA D’ARS. Disponível em: < https://coracaosacerdotal.wordpress.com/tag/frases-de-cura-dars/>.

CARTA AOS GÁLATAS. In: A Bíblia: tradução ecumênica. São Paulo: Paulinas, 2002.

PAPA JOÃO PAULO II. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2018. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Papa_Jo%C3%A3o_Paulo_II&oldid=52632353>.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.